VENDER NÃO É FAVOR (post longo)

29/04/2010

Tenho uma esteira em casa, na qual tento reduzir o “prejuízo” causado por mozzarellas, costeletas, bifes de ancho e afins.

Gosto muito mais de comer do que de correr, mas, como já escrevi aqui, não discuto a importância da atividade física.

Pois bem. Minha esteira, como todas as outras, precisa ser lubrificada com silicone líquido (ou, como fiquei sabendo, em spray) periodicamente. Hoje tentei comprar um frasco.

Não foi fácil.

Há três lojas de equipamentos de ginástica na Av. Cidade Jardim, em São Paulo, relativamente perto de onde moro. Queen’s, Life Fitness e Kiko’s.

O Google me arrumou o telefone das três, e comecei o simples processo de procura.

Na Queen’s:

– Queen’s, boa tarde…

– Boa tarde, uma informação, por favor: você tem silicone para lubrificação de esteiras?

– Tenho. Líquido ou spray?

– Não sei, pode ser qualquer um…

– O líquido é para colocar na bolsa da esteira, para lubrificar automaticamente. O spray é para aplicar na lona.

– Quero o spray. Quanto custa?

– Por volta de 60 reais. Mas, espera aí (ouço o cara perguntar para outra pessoa: chegou silicone spray? Ao longe, a resposta é negativa), acho que não tem mais… é, não tenho mais, estou esperando chegar.

– É que você falou que tinha…

– Eu achei que tinha, mas acabou. Estou esperando chegar.

– Obrigado.

______

Segunda tentativa, na Life Fitness (preste atenção pois é a melhor parte):

– Boa Tarde! Obrigado por ligar para a Life Fitness… for english, press one… digite o ramal desejado ou 2 para assistência técnica, 3 para vendas, 4 para financeiro, ou aguarde para ser atendido…

(pressiono o número 3)

(música… toque… toque… toque… toque… toque…toque… barulho de ligação sendo transferida)

– Boa Tarde! Obrigado por ligar para a Life Fitness… for english, press one… digite o ramal desejado ou 2 para assistência técnica, 3 para vendas, 4 para financeiro, ou aguarde para ser atendido…

(resolvo aguardar)

(música – a ligação entra no terceiro minuto – toque… toque… toque… toque… toque… barulho de ligação sendo transferida)

– Boa Tarde! Obrigado por ligar para a Life Fitness… for english, press one… digite o ramal desejado ou 2 para assistência técnica, 3 para vendas, 4 para financeiro, ou aguarde para ser atendido…

(estou de bom humor – 4 minutos… – e tento novamente o 3)

(música… toque… toque… toque… toque… toque… barulho de ligação sendo transferida, finalmente um ser humano do outro lado da linha)

– Life Fitness, boa tarde. Um momento por favor…

(música… música… música… música… música… – 5 minutos – música… música… música… música… – 6 minutos – música… barulho de ligação sendo transferida, outro ser humano)

– Life Fitness…

– Oi, boa tarde, eu queria saber se vocês têm um produto…

– Um momento, vou transferir a ligação para vendas.

– Ah, obrigado.

(toque… toque… toque… toque… toque… toque…, o terceiro ser humano)

– Life Fitness…

– Por favor, vocês têm silicone para lubrificação de esteiras?

– Só um minutinho, isso é assistência técnica…

– Meu Deus…

(toque… toque… toque… toque… toque… – 8 minutos – toque… toque… o quarto ser humano)

– Life Fitness…

– Uma informação, por favor…

– Pois não…

– Vocês têm silicone para lubrificação de esteiras?

– Líquido ou spray?

– Tanto faz.

– Tenho os dois.

– Quanto custa?

– Depende. O líquido é um galão grande, de xyz litros, custa 95 reais. O spray é mais barato.

– Tá legal. Vocês estão aí na Cidade Jardim, né? De qual lado…

(interrompendo) Mas não adianta o senhor vir aqui, porque as peças não estão aqui.

– Como assim?

– As peças não ficam aqui na loja.

– E como eu faço para comprar?

– O senhor precisa fazer um cadastro conosco, aí o senhor recebe um orçamento, aprova o orçamento, faz o pagamento e nós enviamos o produto para o seu endereço.

– E quanto tempo demora?

– Quatro dias úteis.

– Deixa eu ver se entendi direito: eu tenho de fazer um cadastro, aprovar um orçamento, pagar e esperar quatro dias úteis para receber um frasco de silicone?

– Até quatro dias úteis, pode chegar antes.

– Ah… isso é sério?

– Claro.

– Vocês não querem fazer a venda, né?

– Por que não, senhor?

– Olha cara, se fosse uma esteira, uma bicicleta ergométrica, eu até entenderia. Mas é que eu estou pensando em passar aí para comprar um frasco de silicone, e, pelo que você está me falando, isso é impossível.

– Realmente, assim é impossível.

– Obrigado.

– A Life Fitness agradece.

______

Ainda em choque, partimos para a terceira tentativa, a Kiko’s:

– Kiko’s, boa tarde…

– Boa tarde, você tem silicone para lubrificação de esteiras?

– O senhor precisa do líquido ou do spray?

– Spray.

– Tenho.

– Posso passar aí em meia hora?

– Pode sim.

– Obrigado.

______

Uau, que conceito inovador!!

Saí da loja carregando o bendito spray como se fosse um troféu.

Na história do comércio, desde que se trocava o excedente de comida por peles, animais por utensílios…  passando pelo aparecimento da moeda e todas as teses pensadas e escritas sobre o funcionamento do mercado, suponho que tudo começa com uma negociação que (teoricamente) beneficia os dois lados.

E desde que o mundo é mundo, desde que existem cidades, negócios, empresas, clientes e consumidores, imagino que quem produz algo para vender, realmente tenha a intenção de vender.

Mas como não sou versado nesse campo, talvez eu esteja errado.

Anúncios

ATUALIZAÇÃO DO RANKING…

26/04/2010

… das costeletas de cordeiro.

Finalmente foram conferidas as do Rubayat.

Conclusão: certamente merecem a menção honrosa (supostamente) feita no post anterior.

Mas não chegam a ameaçar o topo da lista.

O que não significa que o Rubayat, tradicionalíssimo, mereça qualquer crítica. A avaliação das costeletas é algo meramente pessoal.

Na ocasião, aniversário de minha sogra (parabéns novamente, Nonninha), havia oito pessoas na mesa. Todo mundo comeu carne e todo mundo adorou.

Os acompanhamentos: salada da casa, creme de milho e batata suflê, que nos leva a um comentário à parte.

Entre todas as guarnições que vão bem com carne, a batata suflê é minha preferida. E é preciso deixar uma coisa bem clara: foi o Rubayat que inventou esse negócio.

O que é servido em outros lugares, por melhor que seja, parece cópia.

O vinho: Angelica Zapata Cabernet Sauvignon 2005, tinto argentino.

Caiu como uma luva.


O CLÁSSICO FRANCÊS

13/04/2010

Obviamente não se trata de Bordeaux x Lyon…

Na semana passada, num encontro familiar, voltamos ao Freddy.

Meu problema como esse tradicionalíssimo restaurante paulistano (aberto em 1935) é de memória: eu simplesmente deveria lembrar mais dele.

É cozinha francesa clássica, ambiente clássico, serviço clássico. Não tem como errar.

Acho que todas as vezes em que estive lá pedi o sensacional chateaubriand (foto) ao molho mostarda, com as devidas batatas fritas.

A altura (não gosto de pedir para abrir) do pedaço de carne é coisa para quem está preparado física e psicologicamente.

Mas vale.

Até o dia 23/5, o Freddy estará na nona edição do Festival do Chateaubriand, em que o pedação (com seu molho preferido) vem com opções de entrada e sobremesa, num preço só.

Na mesa, tivemos um festival particular: um ao molho mostarda, um ao molho béarnaise e dois ao molho madeira.

O vinho foi um delicioso tinto argentino, Doña Paula Selección de Bodega malbec (não me lembro do ano), que saiu da adega do casal que nos acompanhou.

Além de tudo, o Freddy não cobra rolha.


%d blogueiros gostam disto: